TV GC

Palavra Nua

Um final de ano bastante difícil para a classe trabalhadora. Ontem uma funcionária me parou em determinado comércio da cidade de São Miguel do Oeste perguntando: “Aconteceu algum acerto entre o sindicato e os vereadores? Imagina, trabalhar até às 22h”

Palavra Nua - 15/12/2017 18:17

Ela se referia ao golpe do horário livre no comércio, um projeto defendido por um grupo de vereadores da cidade onde se prevê que o comércio, a indústria e os serviços poderão trabalhar livremente das 7h às 22h, podendo estender em períodos especiais do ano e, inclusive, trabalhar nos feriados e finais de semana. O projeto embora tenha sido retirado da pauta após as manifestações e críticas da classe mais atingida permanece na casa e pode ser votado a qualquer momento. O Sindicatos dos Empregados no Comércio do Extremo-oeste de Santa Catarina e a Federação dos Empregados no Comércio no Estado de Santa Catarina (FECESC) está divulgando uma carta, inclusive essa semana foram entregues centenas aos trabalhadores/as, onde se explica os malefícios desse projeto. 

Em um dos apontamentos feitos constam as seguintes informações: Com uma população em torno de 40 mil habitantes não temos necessidades desses horários, não temos movimento no comércio que justifique isso. O que está por trás disso todos sabemos: um grupo econômico quer se instalar aqui em nossa cidade e só virá se o horário for livre. A clara chantagem é feita com uma promessa de 200 empregos. Entretanto, é preciso calcular quantos desempregados teremos com o fechamento das pequenas empresas que não vão aguentar a concorrência e certamente fecharão. Trata-se de concorrência desleal, pois se vier clientes de fora certamente será para comprar nessa empresa, e não nas locais. Não somos contra o progresso, mas o progresso tem que acontecer de todas as formas, não com retrocesso social”.   

 O golpe do horário livre vem para servir a um pequeno grupo, semelhante ao que vivemos sempre nessa história de estrutura colonial que segue mais vigente do que nunca. Mas cabe lembrar da importância da organização popular que na história foi a protagonista da garantia dos direitos. Não é hora de descansar, dormimos com um olho aberto e outro também. A comunidade precisa saber que a luta dos/as trabalhadores/as é contra um projeto que retira o descanso das famílias em nome de interesses de pequenos grupos que desejam dominar a cidade e a região. 

Falando em luta ainda e, em golpe, vivemos dias de grande mobilização contra a reforma da previdência. Desde o dia 05 de dezembro, companheiros/as fazem greve de fome em Brasília. A repercussão tem sido tamanha que em todos os estados, nas cidades interioranas estão acontecendo atos de solidariedade a essas pessoas e contra o golpe da previdência que está para ser votada nessa semana. Em São Miguel do Oeste e Chapecó as organizações sociais montaram vigílias em frente à Previdência Social, chamando a atividade de “Dia de fome”, que vai das 09h às 16h todos os dias até que o projeto seja retirado da pauta.  

Existem diversas tentativas de boicote à mobilização. Ontem por exemplo, um deputado defensor da reforma, apelou ao WhatsApp para enviar mensagens dizendo que a reforma não seria votada e as pessoas poderiam ficar “tranquilas”. A tentativa de desmobilizar a classe trabalhadora é grande e por isso é necessário ficarmos atentos/as. A reforma da previdência faz parte de um pacote maior, se não for votada agora, ela volta à pauta no ano que vem. O capitalismo é isso, é um projeto de morte e por isso não podemos desmobilizar e deixar de fazer o trabalho de base. Precisamos ficar atentos/as nacionalmente e nos espaços de luta locais, onde existem esses grupos que fazem de tudo pelo medíocre poder.  

A comunidade também precisa saber que quando a gente denuncia isso tudo nos meios de comunicação que se posicionam, como no caso do Portal Desacato, a gente recebe ameaça, ligações estranhas, mensagens, enfim, tudo devidamente registrado e sob a vigília de outras pessoas pois afinal, não estamos sozinhos/as. podem nos engolir com os olhos, mas nossas ideias permanecem intactas. Bom final de semana de luta! Até a vitória!  


Mais notícias