TV GC

Circulação de novo vírus da dengue tipo 2 traz alerta para intensificar prevenção em SC

Sorotipagem DENV-2 foi identificada em 11 casos da doença neste ano no estado

DENGUE - 17/11/2018 17:07 (atualizado em 17/11/2018 17:08)

A Diretoria de Vigilância Sanitária (Dive-SC) informou que a variação do vírus da dengue do tipo 2 está circulando por Santa Catarina. Na prática, isso significa que quem contraiu dengue em outros anos está novamente suscetível a ter a doença. Por conta disso, a circulação deste sorotipo aumenta ainda mais a necessidade de prevenção e da população eliminar os focos do mosquito.



Itapema foi a primeira identificada com a variação de sorotipagem DENV-2 no Estado. Dos 26 casos autóctones, ou seja, contraídos no próprio município, 11 deles tinham esse sorotipo. Segundo o coordenador do programa, nem todos os casos passam por identificação de sorotipagem, por isso os números podem ainda ser maiores."A dengue tem quatro tipos de sorotipagem, que vai de DENV-1 até DENV-4. Em 2015 e 2016, o que nós tínhamos mais no estado era o DENV-1. O que acontece é que agora Santa Catarina está refletindo o que ocorre no país, que é a circulação do DENV-2", disse Fuck.

Com isso, a pessoa pode contrair até quatro vezes a dengue, segundo Fuck. Ele explica que o organismo cria imunidade contra somente o sorotipo que contraiu, em cada contágio. A doença, no entanto, se manifesta da mesma forma e com os sintomas semelhantes que o vírus sorotipo 1, o que mais circula no Brasil."Febre, dores de cabeça e no corpo, o curso clínico é o mesmo. Mas, o organismo fica mais sensibilizado. Há mais riscos de desenvolver uma gravidade na segunda, terceira, quarta infecção", explica Fuck.

Um dos quadros mais críticos da doença é a dengue hemorrágica, que atualmente é chamada de 'dengue grave'. Segundo o Ministério da Saúde, a questão com os sorotipos 2 e 3, no entanto, é que eles costumam ser mais agressivos e foram associados ao aumento no número de casos de dengues graves -- como a hemorrágica.

Orientações para evitar proliferação do Aedes aegypti:

  • evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;
  • guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;
  • mantenha lixeiras tampadas;
  • deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;
  • plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;
  • trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;
  • mantenha ralos fechados e desentupidos;
  • lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;
  • retire a água acumulada em lajes;
  • dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;
  • mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;
  • evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;
  • denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;
  • caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para o atendimento
Fonte: G1SC

Mais notícias