TV GC

Cássio do MDB é o novo líder do Governo Trevisan na Câmara

Vereador diz que terá atuação “ainda mais independente” no Legislativo. Ele também comentou sobre o descontentamento, expressado publicamente, diante de não ter sido indicado líder da bancada do MDB na Casa

São Miguel do Oeste - 14/03/2019 14:26 (atualizado em 14/03/2019 14:54)
Carregando Vídeo

Vereador do MDB, Cássio da Silva, em entrevista à TVGC


O vereador do MDB, Cássio da Silva, é o novo líder do governo Wilson Trevisan (PSD) da Câmara de Vereadores de São Miguel do Oeste. Em entrevista à TVGC, ele afirmou que o convite foi feito pelo próprio prefeito, há cerca de dois meses. Segundo ele, para fazer um bom trabalho, precisará adotar uma relação bastante comunicativa e aberta com todos os vereadores. “Justamente para fazer essa interlocução entre Administração, população e o Poder Legislativo”, explica.

O anúncio chamou atenção pelo fato de não haver uma aliança oficial entre MDB e PSD na Câmara. Cássio acredita que o convite foi feito em virtude de sua atuação independente dentro do Legislativo. “Eu aceitei esse desafio, porque o prefeito Wilson Trevisan deu autonomia para continuar exercendo o que eu já vinha fazendo, essa minha independência, ele nos deu carta branca para essa questão. Se preciso for, posso até votar contra os projetos do Governo, ele não aliou nenhum tipo de apoio neste sentido e isso nos dá essa segurança. Porque, por vezes, os projetos chegam de um jeito na Casa Legislativa e a gente pode melhor. Esse é o papel do vereador e nunca colocar o partido político em primeiro lugar”, argumenta.

Questionado se a aproximação com o PSD tem relação com o descontentamento, publicamente expressado, diante de não ter sido indicado líder da bancada do MDB na Casa, Cassio informou que seguirá seu caminho “mais independente ainda”. “Respeito muito meus colegas e meu partido, ao qual sou muito grato. Houve sim algumas desavenças. Eu entendi que outros colegas já haviam sido beneficiados em funções da casa e liderança de bancada, e eu era o único que restava. Inclusive eu cedi todas as vezes para eles. Nessa última eleição da Câmara, infelizmente o partido não optou pelo meu nome e eu entendi que deveria me isolar um pouco e manter minha independência mais ainda”, afirma.

O vereador ainda comentou sobre uma possível disputa de espaço dentro da sigla. “Minha eleição representa uma nova política e, de certo modo, nos jovens temos uma dificuldade muito grande, porque a gente começa a virar sobra para muitas pessoas. Elas pensam assim, eu penso bem diferente. Eu respeito a decisão dos colegas, do partido, respeito a democracia, mas vou seguir meu caminho, conforme sempre fiz, mais ainda agora nessa questão de ser independente”, comenta.


Fonte: TV GC

Mais notícias