TV GC

GOVERNO ESTADUAL VAI PRIORIZAR OS JOVENS E MULHERES NA LIBERAÇÃO DE RECURSOS

De Olho no Campo - 16/08/2019 14:02


O governo do estado de Santa Catarina, através da secretaria estadual da agricultura está tendo uma boa demonstração de apoio a família rural em especial os jovens e mulheres rurais. 

Os programas de fomento da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural têm uma nova prioridade que é atender jovens e mulheres. A partir deste ano, eles terão atendimento prioritário na liberação de recursos. Com os programas, o Governo do Estado espera injetar R$ 200 milhões em investimentos no meio rural e pesqueiro de Santa Catarina, sendo que R$ 61,6 milhões são em recursos próprios.

O secretário da Agricultura Ricardo de Gouvêa explica que a intenção é estimular os jovens a permanecerem no agronegócio, investindo e trazendo inovações para o campo, além de estimular o protagonismo das mulheres na gestão das propriedades rurais. 

Conforme o secretário o futuro do agronegócio catarinense está nas mãos da juventude, são eles que irão investir e dar sequência ao trabalho que está sendo desenvolvido hoje. “Decidimos dar prioridade para atender à juventude e às mulheres porque queremos incentivar a inovação e a modernização na agricultura e pesca de Santa Catarina. As mulheres contarão com nosso apoio para cuidar da gestão das propriedades rurais, assumindo o papel de empreendedoras do meio rural”.

ALGUNS PROGRAMAS DE FOMENTO AS FAMÍLIAS RURAIS

Os programas de fomento da Secretaria da Agricultura apoiam os produtores rurais e pescadores na aquisição de bens e serviços para melhoria de processo produtivo (leite, carne, silos secador e outros), turismo rural, agroindustrialização, novas tecnologias, gestão da propriedade rural e até mesmo na compra de animais para melhoramento genético. 

Além disso, existem linhas especiais para mulheres e jovens no desenvolvimento da produção orgânica e cuidado com o solo e água (sustentabilidade). Lembrando que todos os programas necessitam de um projeto técnico elaborado pela (Epagri) Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina e recebem acompanhamento ao longo da execução.

Os jovens agricultores e pescadores de Santa Catarina contam com linhas de apoio exclusivas. Além dos programas abertos para todos os agricultores, a Secretaria da Agricultura disponibiliza alguns incentivos especiais para a juventude, como financiamentos para aquisição de equipamentos de informática (kit informática) e também para investimentos na produção agropecuária.

ATENÇÃO ESPECIAL AOS JOVENS RURAIS

Um dos incentivos é o Kit Informática se destina para os jovens de 16 a 29 anos, aos quais os recursos são para aquisição de computadores, notebooks, impressoras, entre outros. O financiamento é de até R$ 3 mil, com três anos de prazo, com parcelas anuais e sem juros. A Secretaria da Agricultura concederá desconto de 50% para cada parcela paga até a data do vencimento.

Os agricultores e pescadores podem participar ainda do Projeto de Vida de Jovens Rurais, uma linha de financiamentos para investimentos na produção agropecuária, melhorando o processo produtivo, agregação de valor e desenvolvimento da pesca e da aqüicultura. Os valores são de até R$ 15 mil, com cinco anos de prazo para pagamento, com parcelas anuais e sem juros. A Secretaria da Agricultura concederá desconto de 10% para cada parcela paga até a data do vencimento. Essa linha de crédito está disponível apenas para jovens que passaram por cursos de capacitação.

Além disso, os jovens rurais recebem capacitações frequentes com cursos profissionalizantes como foco na gestão e liderança que iniciou em 2013 e ainda tem turmas frequentando nos centro de treinamentos da Epagri. Uma demonstração da preocupação da Epagri em capacitar e profissionalizar os jovens para permanecer no meio rural e fazerem a sucessão familiar das propriedades.

Em Santa Catarina são quase 170 mil agricultoras e mais de 6,9 mil propriedades rurais administradas por jovens. Ao todo o estado conta com 498 mil trabalhadores rurais, 84% deles são agricultores familiares. Esses dados são de acordo com o Censo Agropecuário de 2017.

CUIDADO COM AS QUEIMADAS NO MEIO RURAL


Nas nossas visitas no meio rural temos visto muitas queimadas de pastagens, canas de açúcar e outras palhadas. A palhada se formou depois de intensas geadas sobre gramas, capins e outras plantas.

Isso é uma prática que não pode ser feito, pois causam muitos danos ao solo e ao meio ambiente. As queimadas normalmente acontecem neste período pós geadas e início de preparação do solo para a próxima safra.

As Consequências das queimadas no solo são terríveis e ocasionam danos muitas vezes irreversíveis. Sob o ponto de vista agronômico, a queimada no solo não proporciona benefícios, pelo contrário, pode trazer sérias consequências. As principais delas são:

Elimina nutrientes fundamentais para qualquer cultura vegetativa, como o potássio, fósforo e nitrogênio. Mata microrganismos que auxiliam no desenvolvimento das plantas. Reduz a umidade do solo e levando à sua compactação. Desencadeia o processo erosivo e outras formas de degradação do solo.

Aumenta da liberação de dióxido de carbono, uma das principais causas do aquecimento global. Polui nascentes, águas subterrâneas e rios por meio das cinzas e destrói de habitats naturais.

IMPACTOS GERADOS PELAS CINZAS

O solo é à base de todo o sistema agrícola. Dessa forma, as queimadas geram prejuízos na produtividade das culturas e aumenta os custos de produção.

Após as queimadas, as cinzas resultantes contaminam águas subterrâneas e superficiais. As altas concentrações de compostos nitrogenados e potássio são prejudiciais a espécies aquáticas e influenciam diretamente na qualidade da água. Em águas paradas, como em lagos e açudes, ocorre a diminuição da quantidade de oxigênio, que é fundamental para a sobrevivência dos seres aquáticos.

SINDICATO ORGANIZA SEMINÁRIO DE LEITE

A associação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais da micro região do oeste de Santa Catarina estão organizando um seminário estadual do leite e convidam a todos para participar do ato publico sobre o preço do leite, que irá acontecer no dia 23 de agosto de 2019, com início as 13:30 horas no município de Iporã do Oeste.

A programação conta com os seguintes temas: custo de produção e mercado do leite, pronunciamento das autoridades, debate e entrega de documento. Segundo os sindicalistas o momento é de indignação com as baixas do preço de leite e pede que todos os produtores de leite participem. Haverá transporte gratuito saindo de todos os municípios da região

Mais notícias