TV GC

Síndrome de mãe Leoa...a hora de deixar os pais participarem!

Feminíssima - 20/09/2019 13:52

Essa semana ao ver uma cena do meu marido e minha filha cheguei a me emocionar, e fiquei pensando o quão importante é essa relação, mas o ponto nem foi esse, nós mães quando nossos filhos nascem aflora um espírito de leoa, penso ser nato e orgânico pois passamos 9 meses somente nós  e nosso filhotinho na barriga, sendo um só e acredito ser por isso que essa relação se estreita tanto. Já com os pais as coisas não são tão simples assim, o homem demora um pouquinho para reagir a esse instinto paterno e nós como mães devemos orientar e permitir que essa relação se firme cada dia mais, devendo permitir que nossos maridos, pais dos nossos filhos ajudem a cuidar, troquem fralda, fiquem acordados a noite isso também faz parte do papel de pai, mas para eles isso não é tão simples devemos sim pedir ajuda com as tarefas porque para eles as vezes essa necessidade não está tão clara assim e só vão agir se pedirmos...porque para eles não é tão claro assim. Confesso que tive esse instinto que só eu sei cuidar, só eu sei fazer tudo e no que deu? Me sobrecarreguei e quando permiti que meu marido me ajudasse nosso relação em casa ficou muito mais leve e confesso que hoje meu marido faz talvez mais do que eu e não vejo problema nisso, somos dois e um completa o outro, somos os dois responsáveis tanto pela educação, como pelos cuidados e carinho! E aí vamos dividir as tarefas e responsabilidades?

Papai Ezequiel Luís Theisen


Papai Rodrigo Innig esposo da nossa querida colaboradora Franciele


Paizão Nelvio Paludo

A fala da psicóloga! 


A morte autoprovocada de jovens tem crescido em todo mundo, segundo Organização Mundial da Saúde (OMS). Os dados são assustadores, mas, nessa fala quero trazer a notícia boa: Todos, eu disse todos, somos potenciais “salvadores” desses adolescentes. Para tanto é preciso entender que a pessoa que busca a morte, ela está na realidade visualizando a única alternativa de resolver a dor que ela está sentindo frente a uma situação. Na adolescência esse processo é muito mais delicado, já que o cérebro não está ainda totalmente desenvolvido, especialmente as áreas que controlam os impulsos. Então, basta lembrar-se da sua adolescência, onde estava quando tinha 15 anos, relembre um pouco. Adolescentes são adolescentes desde que o mundo é mundo! Eles aprendem e se desenvolvem de acordo com seus interesses e não com aquilo que querem lhes impor. Muitos dos transtornos, são resultado da pressa e ansiedade dos pais. Eles não precisam de rótulos e medicamentos. O desenvolvimento humano necessita de paciência, atenção e muito, muito amor. 

Psicóloga Clínica Lauren Mezzomo Alba

CRP/SC 18115

Polêmicas e curiosidade: 

Peço licença para entrar nas polêmicas da maternidade.

Quero falar do colar de âmbar que muitas mães usam e acreditam ter ação anti-inflamatória e que melhora a imunidade, uma pesquisa publicada mês passado comprovou que há a liberação de ácido succinico que trariam os efeitos citados acima, mas no mesmo estudo provou que não ocorre a liberação desse ácido quando em contato com a pele. Mas assim usou e gosta e acredita no resultado? Continua minha filha!

Mais notícias