TV GC

Châteauneuf-du-Pape

Mondovinno - 01/11/2019 15:17


Duas chaves cruzadas são o símbolo do papado. Representam as chaves do reino dos céus, concedidas por Jesus a São Pedro, considerado o primeiro papa. Através delas Pedro, o apóstolo conduziria a igreja seria o responsável pela  ligação entre as  coisas da terra e do Céu.

A partir de  1937, as chaves cruzadas  abaixo da tiara papal, estampadas em alto relevo no vidro das garrafas identificam um dos mais famosos vinhos do mundo   o  Châteauneuf-du-Pape, cujo emblema lembra muito o brasão do Vaticano. O nome Châteauneuf-du-Pape designa na verdade uma AOC - Appellation d’Origine Contrôlée, que é uma área delimitada de onde podem sair apenas os vinhos deste denominação, produzidos por  determinado vinhedo,  de acordo com as leis locais, como por exemplo, a densidade e volume total produzido, as uvas e os métodos de vinificação.  Geograficamente falando esta área localiza-se ao sul do Vale do Rhône em torno da cidade de mesmo nome, que entrou para a história da Igreja Católica durante o século XIV.  É a maior e mais importante AOC do sul do Rhône, abrangendo 3.200 hectares.

Os  tintos de Châteauneuf-du-Pape são vinhos ricos, especiados e encorpados, porém, pelo fato da AOC   abranger uma  área muito grande, há diversos  perfis de qualidade destes vinhos. Ali são produzidos vinhos encantadores e de alto valor de venda, mas também vinhos que em nada lembram os bem produzidos. O terroir local é muito particular, começando pelas videiras que são arbustos baixos, que crescem em um solo que mais parece uma praia de pedras grandes, lisas e ovaladas.

Nesta AOC  um grande número de variedades de uva são permitidas, mas a principal é a Grenache. Seguida   Cinsault,  Syrah e Mourvèdre, e até  Muscardin e Vaccarèse que conferem  cor, frescor e longevidade. Também são aceitas castas brancas compondo blends tintos, e não apenas presentes em vinhos brancos. Rosés não podem ser produzidos na AOC. A produção anual é de cerca de 14 milhões de garrafas e por isso ele é um vinho mais raro.

Lembre-se de procurar por bons produtores, mas prove os diferentes perfis deste interessante vinho. Alguns famosos: Château de Beaucastel, Henri Bonneau, Clos des Papes, Domaine du Vieux Télégraphe, Domaine Bois de Boursan, Domaine Bosquet des Papes.

Mais notícias