TV GC

Doença Cardiovascular na Covid-19

Médico cardiologista, Ricardo Moreno, aborda o assunto em mais uma edição do programa Viva Bem

São Miguel do Oeste - 15/03/2021 14:44


Médico cardiologista, Ricardo Moreno


Apesar da Covid-19 ser uma doença respiratória e o vírus SARS-COV-2 infectar predominantemente o pulmão, pacientes cardiopatas têm sido considerados os de piores prognósticos em relação à evolução da doença. A hipertensão arterial (HAS) tem sido a comorbidade presente em pacientes que evoluem mal, além de outras características clínicas como elevação dos marcadores cardíacos e possível infecção direta do coração pelo vírus, têm sido avaliadas.

Alguns fatores cardiológicos podem ter um pior prognóstico. Entre eles estão:


- HAS                                 - Câncer

- Obesidade                       - Doença renal crônica

- Diabetes                         - Troponina elevada

- DPOC                              - BNP elevado

Covid-19 e Doença Arterial Coronariana (SCA)

A Covid-19 pode levar ao infarto do miocárdio, principalmente por dois mecanismos fisiopatológicos: a ruptura de placa aterosclerótica previamente estável e o aumento da demanda de oxigênio. Os sintomas de SCA em paciente com Covid-19 são semelhantes a pacientes sem a doença viral. Entretanto, idosos e doentes crônicos podem ter seus sintomas mascarados, por conta dos sintomas da infecção respiratória.

Covid-19 e injúria Miocárdica

A injúria miocárdica tem sido reportada com certa frequência na Covid-19. Parte considerável dos pacientes apresenta níveis elevados de troponina. Os pacientes com troponina elevada costumam ter mais comorbidades, exames laboratoriais mais alterados, maior acometimento pulmonar e maior mortalidade. A insuficiência cardíaca foi encontrada com certa frequência em paciente com Covid-19.

Covid-19 e Arritmias

As arritmias cardíacas não são patologias comuns nos pacientes com Covid-19. A inflamação pulmonar e febre podem gerar taquicardia sinusal nesses pacientes.

Covid-19 e Hipertensão (HAS)

A HAS tem sido observada como comorbidade comum em paciente que evoluem de maneira negativa à infecção por SARS-CoV-2.

 

Hospital Regional Terezinha Gaio Basso de São Miguel do Oeste
Médico – Ricardo Moreno – Cardiologista - CRM-SC 14041 RQE Nº 13885

Diretora técnica - Katia Bugs – médica - CRM 10375 – Nefrologista - RQE 5333

 

Fonte: TvGC
Envie suas sugestões de pauta para a redação
WhatsApp Business TVGC (49) 99936 0092

Mais notícias